Pular para o conteúdo

Engano Do Dreadnought

    Engano Do Dreadnought 1

    Cole enganou a Royal Navy para que lhe ensinasse o seu veículo-chefe, o HMS Dreadnought, a uma suposta delegação de príncipes abisinios que na verdade eram ingleses de classe alta disfarçados. O grupo foi recebido com toda a pompa de uma visita de estado.

    O engano, chamou a atenção da imprensa da época e colocou em relevo a vivência do Círculo de Bloomsbury, e também deixar em horrível a Marinha britânica. Cole tinha-o levado a cabo inúmeras ações idênticos em um momento anterior, verdadeiramente, em 1905, em Cambridge, perto com Adrian Stephen agora usou o disfarce de abisinio pra gastar uma piada ao reitor da faculdade. Essas ações do poeta estavam a meio caminho entre o intelectualismo e o feitio adolescente.

    Para se fazer passar por príncipes etíopes, se vestiram com turbantes e oscurecieron sua pele com maquiagem. Virginia Woolf, e também travistió, pro qual você cortou o cabelo como um homem. A principal limitação de tuas fantasias era que, no caso de ingerir ou ingerir a maquiagem poderia danificar. Adrian Stephen tomou o papel de “intérprete”, um alemão chamado “Herr Kauffmann”, e Cole o representante do Foreign Office que acompanhava o grupo. Cole, juntamente com a “comitiva real”, iam para a estação de Paddington, em londres, onde argumentou ser “Herbert cholmondeley anthony” do Foreign Office e pediu um trem especial pra Weymouth; o chefe da estação habilitou um transporte VIP.

    Uma vez em Weymouth, a Marinha obteve os “príncipes” com uma guarda de honra, tapete vermelho, banda de música, trajes de gala e um veículo especial estava esperando para levá-los ao porto. Começou com uma leve chuva, com o perigo que isso implicava pra composição dos falsos abisinios e Anthony Buxton lhe partiu o bigode peruca ao espirrar, no entanto conseguiu recomponerlo sem que ninguém se desse conta.

    Já, a pedido de Cole foi para o interior do barco e continuaram com a visita, que durou em torno de quarenta minutos no total. Pediram tapetes de oração e ofereceram falsas condecorações militares, alguns dos oficiais. Um dos oficiais presentes conhecia pessoalmente Cole e a Virginia Stephen, entretanto não os reconheceu.

    • 1995 – Postagem (One Little Indian)
    • 700 milhões de fortuna
    • O projeto transparente permite que você veja facilmente o que necessita, onde está
    • Arlequim e Columbina, que saem de um repolho [1.er presente]

    Ao fim, o grupo abandonou o navio sempre que soava o “God save the queen”, e tomaram o trem de volta para Londres. A piada não teve conseqüências graves para as corridas de nenhum dos oficiais da Armada. Entretanto há sólidos indícios de que os oficiais não se “beberam” o engano e, diante da incerteza, se limitaram a não expressar nada. A imprensa, como é de se esperar, fez eco imediato dos acontecimentos, como se o dolo tiver sido total, coisa que, ainda nos dias de hoje, não é claro, sendo imenso a humilhação da Marinha britânica.

    A Marinha britânica se tornou porquê de chacota do país. No parlamento, foram feitas dúvidas sobre o imprevisto e os oficiais da Armada, que se tomaram de diferentes maneiras, com o mais querido significado de humor até a mais completa indignação.

    Mais tarde, a Royal Navy solicitou a prisão de Cole. Porém, nem Cole nem ao menos o resto da “comitiva real” haviam quebrado nenhuma lei, a única infracção cometida no engano foi o telegrama, com assinatura falsa, que não foi obra de nenhum dos 6 membros do grupo. O almirante envolvido também teve que suportar que alguém lhe dissesse “Bunga Bunga” na via, as palavras “bunga bunga” adquiriram tal relevância que até mesmo foram incluídas no álbum.

    Marcações: