Pular para o conteúdo

Ex-Machina, Ou A Respeito Da Dimensão Corporal Do Humano

    Ex-Machina, Ou A Respeito Da Dimensão Corporal Do Humano 1

    Professor Titular de Filosofia do Direito da Universidade de Barcelona. A abordagem de Ex machina é muito aproximado ao de Blade Runner um video que imediatamente foi comentada nessa mesma seção. Um poderoso homem de negócios (Nathan, o proprietário da Blue Book, uma espécie de google) dá por proporcionar-se à inteligência artificial, aproveitando-se precisamente todo o corrente de sugestões que recebe por intervenção de teu navegador de web. Quando desenvolveu um produto agradável o suficiente, decide mensurar a sua particularidade, e pra esta finalidade lança mão de um dos programadores mais brilhantes de sua empresa, o jovem Caleb.

    O convoca para o teu bunker, um recinto perdido entre rios e montanhas, e pede-lhe para pesquisar se o objeto dá uma inteligência equivalente à dos humanos. Caleb se põe mãos à obra, no decorrer de uma série de sessões com cuidado escrutadas por Nathan por intervenção de um circuito fechado de tv.

    Ava e o piá mundo bem e se gosta, com o que a coisa começa a se complicar. Como Calebe já foi seduzido por Ava, a esta não lhe custa muito colocá-lo de sua parcela e enemistarlo com Nathan. Este acaba por compreender as maquinações da perfeita máquina e avisa a Calebe, de que se está introduzindo o desacerto de lado.

    no entanto, trata-se de 2 videos muito diferentes. Se Blade Runner é uma mobilização ímpar de protagonistas, cenários, cores, ações e tensões, Ex machina, parece deliberadamente minimalista, um video quase mais conceptual do que narrativa, uma obra teatral mais que um filme. Os personagens são poucos, o caso é quase a todo o momento o mesmo, os diálogos são relativamente pobres, a ação é escassa. E também sua aparente minimalismo, Ex machina, contém identicamente um evidente simbolismo, a começar pelo respectivo título.

    29 que lançou a bomba atômica a respeito de Hiroshima. Sai à tona Oppenheimer, diretor do Projeto Manhattan e pai da mortifera bomba; e a sala do bunker preside um enorme e um tanto de tela de Jackson Pollock, figura central do expressionismo abstrato norte-americano. No final das contas, o robô antropomórfico é chamado Ava, que em inglês é a versão do nome da primeira mulher. Dada a semelhança da história com Blade Runner, as dúvidas que suscita Ex machina são, em grande medida, as mesmas não irei preencher-me nesse lugar deles, porque de imediato o fiz no instante.

    • Vinte Bark the Polar Bear
    • Sistemas suportados: Windows, MacOS, Linux
    • Nexus1370 (conversa) 14:22 18 fev 2009 (UTC)
    • 8 – Clique em Aplicar e depois em Ok.<====Nessa ordem
    • Veja os fatos com cuidado
    • Novos efeitos Aero e Aurora

    O que se coloca de forma diferente do filme de Alex Garland é a relevância do componente corporal da identidade humana, e essa relevância irei proporcionar o que resta a essas páginas. O ponto de partida é a aparição de Ava.

    Mas, Nathan não teve em conta o aspecto físico de Calebe, na hora de selecioná-lo, entretanto as suas capacidades intelectuais, e também o fato de que não tem família: é órfão e não tem irmãos, companheiro ou filhos. Está sozinho no mundo.

    Marcações: